Vereadores rejeitam contas de ex-prefeita de Parobé

Votação seguiu parecer do TCE sobre a administração de Gilda Kirsch
Vereadores rejeitam contas de ex-prefeita de Parobé

Relator do parecer, Antônio Carlos dos Santos (PDT), fez a leitura dos apontamentos feitos pelo TCE durante a administração da ex-prefeita

Os vereadores de Parobé aprovaram na noite de ontem (13), por unanimidade, o parecer desfavorável elaborado pela Comissão de Finanças, Orçamento e Contas Públicas, que trata sobre as contas da ex-prefeita do município, Gilda Kirsch.

Antônio Carlos dos Santos (PDT) foi o relator do documento que segue o entendimento do Tribunal de Contas do Estado (TCE), reprovando os gastos da gestão administrativa no ano de 2009.

Entre os itens apontados pelo órgão fiscalizador, está a alta de prestação de contas em pagamentos de diárias, inexistência de lei que define a atribuições dos cargos de comissão, pagamento indevido de gratificações por regime especial de trabalho, contratação de shows por intermédio de empresa de publicidade e propaganda sem respaldo em contrato, entre outros.

“Entendemos que é incoerente trabalhar em prol da comunidade, buscando uma administração pública responsável e ir contra o que foi definido pelo TCE”, explicou o relator durante a leitura do parecer.

Além deste documento, os parlamentares apreciaram pedidos de informação e pedidos de providência, encaminhados ao Executivo Municipal. Entre as solicitações, estava a de número 112/2018, de autoria do vereador Enio Terra (PTB), pedindo esclarecimentos a respeito do lixo descartado no Parque do festejando, constatado pela Secretaria de Meio Ambiente em fevereiro deste ano.

“Teremos um grande evento religioso naquele local nos próximos dias e não temos conhecimento sobre a situação em que se encontra o material. Peço que o diretor da secretaria venha até esta casa para que possamos entender”, comentou na tribuna.  

Já o vereador Dari da Silva (PROS) apresentou o pedido para que o secretário da Fazenda venha até o Legislativo a fim de apresentar quais os repasses que já foram feitos ao caixa do Regime Próprio da Previdência (RPPS) e qual a estimativa de valores até o final deste ano.

“Trata-se de um assunto importantíssimo onde nós, como vereadores, precisamos ter conhecimento sobre o caixa do RPPS, algo que é assunto de debates no Legislativo há anos”, destacou.

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação