Plenário aprova afastamento de vereador do MDB

Relatório da Comissão de Ética foi aprovado por nove a quatro
Plenário aprova afastamento de vereador do MDB

Relator da Comissão, Jorge Graminha (PP), se manifestou a respeito do texto que pediu o afastamento do colega parlamentar

O relatório da Comissão de Ética que analisou a quebra de decoro parlamentar do vereador Elario Jahn (MDB) foi aprovado por maioria na noite de ontem (19), em Parobé. Durante a sessão ordinária que durou mais de duas horas, o parecer que pediu o afastamento do vereador emedebista pelo período de 15 dias recebeu nove votos favoráveis e quatro contrários.

A análise foi fundamentada no pronunciamento do parlamentar durante a sessão do dia 20 de março, onde Jahn se referiu ao ex-deputado federal, Agnaldo Timóteo, como “macaco gordo”. Com esta decisão, o Legislativo convocará o suplente a vaga de Jahn para o período de afastamento.

Votaram contra o parecer final os vereadores Eneas Rodrigues (MDB), Idamir Antônio Morais (PSDB), Maria Eliane Nunes (MDB) e Valcir Moreira (PSB).

Conforme o relator do parecer, Jorge Graminha (PP), o pronunciamento é contrário a ética parlamentar, conforme o artigo 4º, inciso V, da Resolução nº 002/2011 do Regimento Interno do Legislativo. “A expressão usada pelo nobre vereador em seu pronunciamento usou de palavras que, no meu entendimento, não estão de acordo com a dignidade do mandato que nos foi outorgado pela comunidade de Parobé no último pleito eleitoral, pois a expressão “macaco gordo” fere a dignidade da pessoa e é uma expressão racista por si só”, diz o parecer.

Ao declarar voto contrário a decisão, Rodrigues destacou que se trata de um fato isolado, e que o Plenário deveria levar em conta a retratação já apresentada pelo colega de partido. “Nós temos outras situações muito mais importantes na cidade para esta Casa debater. Estamos falando de um vereador que faz um trabalho excelente na cidade”, defendeu.

Já o presidente da comissão, Gilberto Gomes (PRB), salientou que o parecer não trata a respeito do trabalho realizado pelo parlamentar, pois o processo foi feito somente devido a sua declaração. “Seguimos apenas o que diz a resolução. Em nenhum momento foram avaliadas as atividades parlamentares do vereador”, enfatizou.

No período de grande expediente, Jahn apenas declarou que em sua trajetória na Casa Legislativa, atua em prol da comunidade. “Não vou me pronunciar quanto a votação. Só quero deixar claro que a política não é minha profissão, eu sou aposentado e participo para representar a população. Já fui a Brasília duas vezes, pagando do meu bolso, para buscar recursos e projetos. Quem tem que se preocupar é quem vive disso, eu não”, disse. Agora, uma cópia do parecer será encaminhada ao Ministério Público.

Segundo o presidente Enio Terra (PTB), o Legislativo cumpriu seu papel seguindo as determinações da resolução estipulada no regimento. “Isto não se trata de jogo político, e sim de seriedade em obedecer às regras da Câmara de Vereadores, que representa a sociedade deste município. O colega vereador é competente e trabalha pela comunidade, mas não é por isso que vamos nos omitir aos fatos, não se trata de perseguição”, enfatizou.

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação