Encontro reúne autoridades para audiência sobre segurança

Pauta é uma das prioridades dos vereadores desta Legislatura
Encontro reúne autoridades para audiência sobre segurança

Poder Público e órgãos de segurança do município seguem na busca por alternativas que diminuam a criminalidade

Novas medidas para combater a insegurança foram tema de um encontro realizado na Câmara de Vereadores de Parobé durante a tarde de segunda-feira, dia 21. Autoridades municipais e representantes dos órgãos de segurança pública participaram da audiência, que teve como objetivo apresentar novas alternativas para a vigilância policial no município.  

O pedido para a realização do evento foi feito pelo vereador Dari da Silva, do PROS. “Temos que utilizar todas as ferramentas possíveis para garantir a comunidade uma cidade segura. Estamos falando de um problema que envolve a todos, mas como representantes da população precisamos ampliar o debate e trazer novas ideias”, defende o proponente.

Entre os principais assuntos abordados no encontro, esteve a proibição do estacionamento na rua João Mosmann aos domingos, medida aplicada pelo Executivo Municipal após recomendação do Ministério Público.

Além dos vereadores da Casa Legislativa, estiveram presentes no evento o prefeito interino, Moacir Jaguchesk; a promotora do Ministério Público, Daniela Fistarol; secretário de Segurança, Valdenir Martins; o presidente do Legislativo, Enio Terra (PTB); o comandante da Brigada Militar; Ubirajara Dill e o delegado de Polícia Civil, Rafael Salthier.

Conforme a promotora do MP, a recomendação que pediu a proibição do estacionamento na rua ao lado da Praça 1º de Maio foi feita com base em diversas reclamações da população, que pediam providências devido a dificuldade de trafegar no local, além do volume elevado de carros com sonorização e o consumo de bebida alcoólica por menores de idade. “A recomendação foi feita ao prefeito com um prazo de 30 dias para que houvesse um retorno da comunidade. Para voltar atrás na recomendação, precisamos de argumentos pontuais que demonstrem o porquê desta recomendação estar equivocada”, destacou.

Já o comandante da BM, salientou que diversas metas foram desenvolvidas em conjunto do Executivo a fim de obter mais efetivo, equipamentos e monitoramento. “Conseguimos desenvolver um espírito de voluntariedade dos servidores da Brigada, e hoje podemos comparar os indicativos e perceber um resultado positivo no combate à criminalidade”, disse.

Além disso, Dill explicou que a problemática apontada pelo público que utiliza locais como a praça central, não se trata de um caso policial. “Estamos falando de um problema de convivência social, já que a praça é de todos. A convivência deve ser ordeira, pacífica. Isso é um caso social, nós temos que buscar políticas públicas para solucionar este problema”, ressaltou.

Já o prefeito interino, apresentou quais ações já foram realizadas para conter a criminalidade, entre elas a instalação de câmeras de vigilância em diversas áreas da cidade. “Conseguimos emendas parlamentares de quatro deputados para conseguir instalar estas câmeras, que certamente vão ajudar muito o trabalho policial. Serão pontos estratégicos definidos pelos órgãos de segurança”, afirmou.

Jagucheski também comentou a respeito da decisão de acatar o pedido do Ministério Público. Segundo ele, a orientação da promotoria foi clara a respeito da proibição do estacionamento da rua João Mosmann. “É uma medida urgente. Tudo poderá ser ajustado. Mas neste momento em que temos dificuldades e com tantas ocorrências no local em um curto período de tempo, eu como prefeito entendo que o melhor é acatar o pedido do MP”, enfatizou.

Nas próximas semanas, o Legislativo deverá indicar o representante para o Gabinete de Gestão Integrada de Segurança Pública (GGI), grupo que deverá articular novas atividades preventivas que reforcem a busca por mais segurança no município. 

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação