Em busca de soluções para a saúde do município

Vereadores se reuniram com diretores do Hospital São Francisco de Assis
Em busca de soluções para a saúde do município

Parlamentares apresentaram reclamações que recebem da comunidade ao corpo diretivo da casa de saúde.

A fim de buscar explicações para as demandas da comunidade, os vereadores de Parobé se reuniram nesta semana com os diretores do Hospital São Francisco de Assis, Tadeu Stringari e João Schmidt, além da enfermeira, Clarissa Possmoser.

O encontro contou com a presença da presidente, Maria Eliane Nunes (MDB), e também dos vereadores, Dari da Silva (PROS), Maristela Toffoli (PT), Gilberto Gomes (PRB), Henrique dos Santos (PDT), Jair Bagestão (PT) e Antônio Carlos dos Santos (PDT).

Segundo os parlamentares, o atendimento do setor de emergência da casa de saúde é tema das principais reclamações da comunidade. “Sabemos que o Hospital atende diversos municípios, mas a comunidade nos cobra quanto aos atendimentos na emergência. Os moradores nos pedem diariamente que ocorram melhorias”, explicou Gomes.

Atualmente, o hospital de Parobé atende mais de 30 municípios das regiões do Vale do Paranhana e Metropolitana do Estado. “Não temos como evitar a vinda de pessoas de outras cidades, mas esclareço que nossos convênios tratam somente da parte clínica, o que não afeta os demais serviços. Na emergência o atendimento deve ser feito conforme o risco de morte ”, comentou Schmidt.

Para evitar que haja disseminação de informações falsas entre a comunidade local, uma das ações do corpo diretivo da casa de saúde é procurar os autores de postagens nas redes sociais, no intuito de esclarecer quaisquer dúvidas da população.

“Estamos pessoalmente procurando os cidadãos que fazem reclamações quanto o atendimento realizado no local. É preciso atentar também que envolve uma questão emocional, pois quando se procura um atendimento é no momento em que as pessoas estão debilitadas. Queremos saber de que forma podemos melhorar”, salientou o diretor.

Para o vereador do PROS, uma das soluções é melhorar a rede de atendimento no município, principalmente nas Unidades Básicas de Saúde. “Desta forma é possível desafogar o hospital dos atendimentos não urgentes”, enfatizou.

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação