Campanha Maio Laranja deverá ser instituída em Parobé

Vereador Adriano Azeredo (MDB) levou projeto de lei ao Plenário Municipal
Campanha Maio Laranja deverá ser instituída em Parobé

Proposta que institui a campanha Maio Laranja no município foi aprovada por unanimidade.

Além de contar com a programação realizada pelo Conselho Tutelar a fim de mobilizar a sociedade pelo fim da violência e exploração sexual infantil, o Legislativo de Parobé aprovou nesta semana o projeto que inclui a campanha “Maio Laranja” no calendário de eventos do município.

Criado pelo vereador Adriano Azeredo (MDB), o texto tem como objetivo criar novos espaços de debates para a conscientização, prevenção, orientação e combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. “A pandemia do coronavírus acendeu um alerta a respeito dos números alarmantes de violência sexual que nossas crianças e adolescentes sofrem diariamente. Nosso município precisa estar atento a políticas públicas de proteção e esta campanha fortalece este trabalho”, ressaltou o autor.

Conforme o projeto 044/2021 aprovado por unanimidade em Plenário, durante o mês de maio devem ser realizadas ações preventivas e educativas de proteção das crianças e adolescentes.   

Conselheiros fazem apresentação da campanha – A aprovação ocorreu na mesma noite em que a Câmara recebeu os integrantes do Conselho Tutelar, além do prefeito Diego Picucha, para apresentar à comunidade os dados referentes aos atendimentos e ocorrências deste tipo de violência.

De acordo com o conselheiro Eraldo Gaspar de Souza Júnior, os dados do Disque 100 apontam que atualmente existem 86 mil registros de direitos violados de crianças e adolescentes, sendo destes 11% de violência sexual. “As vítimas são meninas de 0 a 11 anos, e muitas destas sofrem violência dentro de suas casas. São números alarmantes e que precisam de atenção”, explicou.

Um levantamento nas rodovias federais mostra que a parte Sul do Brasil ocupa o segundo lugar com aproximadamente 900 pontos de casos de exploração sexual. “Acredito que o projeto aprovado amplia a discussão e vem de encontro a esta grande campanha, desenvolvendo cada vez mais o trabalho dos conselheiros tutelares e da secretaria de assistência social em proteger as nossas crianças”, reforçou Azeredo.

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação