Câmara de Parobé é referência em aproximação com a comunidade

Legislativo recebeu comitiva de Nova Petrópolis na última semana

O Legislativo de Parobé recebeu na última semana, o presidente da Câmara de Vereadores da cidade de Nova Petrópolis, Rodrigo Santos (PSB), junto ao assessor Paulo Schwantz. A visita teve como objetivo conhecer o projeto que realiza a transmissão online das Sessões Ordinárias por meio das redes sociais. 

A fim de otimizar a participação da comunidade local junto ao Poder Legislativo, a Câmara Parobeense deu início no mês de janeiro as transmissões online das reuniões que ocorrem semanalmente no Plenário Municipal. 

Centenas de pessoas da cidade acompanham o trabalho dos vereadores pela internet. O projeto foi executado pela Assessoria de Comunicação da Casa Legislativa em conjunto do setor Técnico de Informática, que tem como responsável o servidor efetivo, Augusto Pereira. 

Para o presidente nova-petropolitano, é preciso facilitar o acesso da população que deseja acompanhar o processo Legislativo. “Queremos o envolvimento da população, as pessoas precisam saber o que acontece. Sabemos que a rotina das pessoas é muito corrida e estamos pensando em viabilizar uma forma de acesso mais fácil”, afirma. 

Conforme o chefe do Legislativo Parobeense, as transmissões possibilitaram um debate mais amplo dos projetos e demais temas pautados nas sessões semanais. “A comunicação com a comunidade deve ser transparente e direta, criando desta forma um interesse ainda maior pela política do município. Queremos que todos vejam o que e feito aqui e como cada um dos parlamentares os representa”, destaca Enio Terra (PTB). 

Anteriormente as Sessões Ordinárias eram transmitidas no Youtube, plataforma de vídeos que foi pioneira em realizar transmissões “ao vivo”. 

Com o aumento de usuários em redes sociais, a comunicação do Legislativo percebeu a necessidade de iniciar um contato ainda mais direto da população com vídeos em tempo real utilizando sua página oficial no Facebook. 

Para que o projeto fosse possível, a Câmara investiu em uma câmera IP (Internet Protocol) que faz a captura das imagens das sessões e envia por meio da rede interna ao codificador de vídeo (obtido gratuitamente online) que permite o compartilhamento nas plataformas virtuais. O custo total do projeto foi de R$ 1.000,00, valor que custeou a câmera IP. “Como existem softwares gratuitos para fazer esta transmissão, este projeto foi realizado de forma simples e garantindo a economicidade”, finaliza o servidor de TI da Casa Legislativa.

Foto: Eduarda Rocha/Assessoria de Comunicação